3.2.10

... e olhando o fotógrafo passar

só nos resta o
rastro

(como se dali nunca fosse - como se antes uma mosca sobre a água, uma estrela sobre o tempo)

do seu olhar

* este poema está em construção - caso tenha contribuições de verso contribua e seja também autor do mesmo. poema coletivo. A idéia deste poema é simples:

são 3 versos - só nos resta o/rastro/do seu olhar

mas que só se completam com o título, então seria assim:

... e olhando o fotógrafo passar
só nos resta o
rastro
do seu olhar

a inserção de um verso - um enxerto - é uma escolha para chacoalhar os versos acima, que são bastante previsíveis: através da abertura de parênteses se descreve o caminhar de um fotógrafo em ação, pela cidade, naquele 'transe típico' de quem está observando enquadramentos ou configurações visuais inusitadas ou harmoniosas... o verso é o seguinte:

(como se dali nunca fosse - como se antes uma mosca sobre a água, uma estrela sobre o tempo)

E é isso... proponho um poema em conjunto. Já está dissecado sobre a mesa. Agora que viva o Frankenstein.

Nenhum comentário:

Seguidores