24.6.09

poema coletivo

escrever o poema coletivo
cada amigo pincelando uma palavra
uma metáfora, uma rima
escrever o poema incontido
cada amigo explorando um verso
um recôndito, um abrigo
escrever o poema polissêmico
cada amigo costurando um signo
um símbolo, um perigo
escrever o poema sem as mãos
cada amigo assoprando uma letra...

um poema-vendaval
me ergue do chão.

(para Manoel de Barros)

Nenhum comentário:

Seguidores